Resenha - A Invenção de Hugo Cabret, Brian Selznick


A Invenção de Hugo Cabret
Hugo Cabret é um menino órfão que vive escondido na central de trem de Paris dos anos 1930. Esgueirando-se por passagens secretas, Hugo toma conta dos gigantescos relógios do lugar: escuta seus compassos, observa os enormes ponteiros e responsabiliza-se pelo funcionamento da máquinas. A sobrevivência de Hugo depende do anonimato:ele tenta se manter invisível porque guarda um incrível segredo, que é posto em risco quando o severo dono da loja de brinquedos da estação e sua afilhada cruzam o caminho do garoto. Um desenho enigmático, um caderno valioso, uma chave roubada e uma homem mecânico estão no centro desta intrincada e imprevisível história, que, narrada por texto e imagens, mistura elementos dos quadrinhos do cinema, oferecendo uma diferente e emocionante experiência de leitura.


Hugo Cabret vive na central de trem de Paris na década de 30, para ir de um lado a outro sem ser visto, Hugo recorre às passagens secretas da estação, desde que seu tio morreu Hugo vive sozinho, escondido e fazendo o antigo trabalho do tio: tomar conta dos relógios gigantes da estação.

Hugo tem um segredo, antes da morte de seu pai (ele morreu quando o museu onde trabalhava pegou fogo) ele mostrou a Hugo uma invenção que ficava guardada no museu, um autômato, quando o museu pegou fogo, Hugo ‘pegou’ o autômato e o escondeu, agora Hugo precisa de uma chave para fazer o homem mecânico funcionar.

E a chance de conseguir a chave surge quando ele conhece a afilhada de George Meliè, um velho dono de uma loja de brinquedos da estação. Hugo costumava roubar peças de brinquedos da loja para concertar o autômato, um dia ele é pego e Tio George lhe tira o caderno que fora de seu pai, onde estão todas as suas anotações sobre o autômato.

A história de Hugo Cabret é entre outras palavras, mágica, mas não mágica da forma de contar elementos de magia, mas sim mágica, pois se trata de sonhos e imaginação. A busca desesperada de Hugo pela chave que abrirá o autômato é quase desesperadora, porque junto com Hugo, nós precisamos descobrir o que tem lá dentro.

O livro tem 533 páginas, mais da metade é de desenhos, o que na minha opinião deu toque a mais para a história, se você não leu o livro, está esperando o que? Quando eu terminei de ler fiquei com aquela sensação de...esperança.

"Sabe, as máquinas nunca têm peças sobrando. Elas tem o número e o tipo exato de peças que precisam. Então, eu imagino que, se o mundo inteiro é uma grande máquina, eu devo estar aqui por algum motivo. E isso quer dizer que você, também, deve estar aqui por algum motivo." Página 378

Título Original: The Invention of Hugo Cabret
Autor(a): Brian Selznick
Páginas: 533
Editora: Edições SM







Virginiana. Bookaholic. Grifinoria. Narniana. Esmaltólotra. Chocólotra. Desastrada. Teimosa. Preguiçosa. Futura Arquivista. Sonhadora. Irônica da língua bem afiada. Em sua cabeça cria as mais inusitadas história e situações.  Twitter| Facebook| Skoob

2 comentários:

Thalía disse...

Só li a parte final resenha em que continha a opinião, deixei a parte que contava a história porque esse livro é minha próxima leitura e quero entrar sem saber quase nada haha. Dando uma folheada já percebi a enorme quantidade de desenhos, muito bonitos por sinal.

Beijos
Thalía
livro-mania.blogspot.com

Leeh Proença disse...

Eu sou loooouca por esse livro! O vi em promoção uma vez no submarino mas estava totalmente sem dinheiro, então tive que me controlar ao máximo pra não comprar :( VIDA!
eu adorei o filme e quero demaaais ler esse livro dssjkflks com certeza tá na minha lista de desejados pro natal UHAUHAUHAUH

Leeh - hangoverat16.blogspot.com

 
Design geral de: Rachel Lima | C�digos de Giovana Joris
|